domingo, 5 de fevereiro de 2017

Águas de Bonito

Todos me perguntam se Bonito é bonito mesmo, e eu digo com certeza que sim! Confesso que esperava um pouco mais, talvez por ter demorado tanto tempo para ir pra lá e estar com a expectativa alta, ou porque quando fui era época de chuva e as águas não estavam tão cristalinas... mas é uma viagem que super recomendo a todos que gostam de estar perto da natureza, de fazer passeios diferentes, ou pra quem quer simplesmente relaxar nas águas de Bonito. Prepare-se para desligar completamente do celular e das redes sociais durante os dias em que estiver lá, pois raramente você conseguirá uma rede de dados, e nem mesmo o Wi-fi da dos hotéis e restaurantes possuem uma conexão aceitável. 
   
Avião da Azul de Campinas a Bonito
Para chegar em Bonito há duas formas: a primeira opção é voar até Campo Grande, que está a 300km de Bonito, e de lá alugar um carro para o traslado - Gol, Latam e Azul oferecem voos saindo de São Paulo. A segunda opção é voar com a Azul de Campinas (Viracopos) direto para Bonito, que foi a nossa opção. Esse voo opera apenas às quartas e domingos (a partir de março de 2017 esse voo será diário). Mas o avião é daqueles teco-tecos de hélice e a viagem demora 2,5 horas. Mesmo assim acho que essa é a melhor opção, e se você comprar com antecedência o voo não sai tão caro. Para quem mora em São Paulo a Azul também oferece um ônibus grátis para Viracopos saindo de diversos locais da cidade.

 A infraestrutura de turismo da cidade é excepcional, os guias superpreparados e a organização impecável. As pessoas da cidade são muito amáveis e prestativas, todos os atendentes do hotel e das lojas que fomos, os garçons dos restaurantes, as pessoas na rua, absolutamente todos eram muito educados. Esses dois pontos me surpreenderam positivamente na viagem.


E os passeios... todos foram muito legais, mas na minha opinião os que mais se destacaram foram o da Boca da Onça e a flutuação no Rio Sucuri. Talvez por isso a nossa agência tenha deixado esses dois para os últimos dias, assim saímos da cidade com uma ótima impressão! No geral são todos bem caros, mas considerando a organização e estrutura que oferecem, pode-se dizer que é um dinheiro bem gasto. Afinal, você foi até lá pra isso não é? 

Cachoeira Boca da Onça

E onde mais você vai encontrar tantos animais soltos na natureza que você só tinha visto antes no zoológico? Araras e tucanos voando na estrada enquanto você vai para um passeio, tamanduás gigantes procurando cupins do meio do pasto, tatus, cervos, jacarés e todo tipo de passarinho que você nunca viu (nem ouviu) antes. Ainda bem que a natureza de Bonito ainda está preservada!

Nós ficamos no hotel Águas de Bonito (aguasdebonito.com.br), que oferece uma estrutura completa por um preço mais acessível que os outros hotéis do mesmo nível. Fica a 8 quadras da rua central, o que dá para ir a pé na hora do jantar e assim gastar as calorias consumidas na Merenda Pantaneira, um café da tarde oferecido diariamente para os hóspedes às 17h, bem naquela hora que você está voltando do passeio morto de fome.

E falando em fome, não deixe de conhecer os restaurantes Casa do João (casadojoao.com.br) e Juanita (www.pagefree.net/juanita-restaurante). Os pratos típicos de Bonito são os diversos peixes da região – como o pacu assado (hum, desculpe o trocadilho) – e a suculenta carne de jacaré, que você não pode sair de lá sem provar.

Acabamos contratando os passeios pela própria agencia do hotel, a Águas Turismo (aguasturismo.com.br) e como estávamos em 3 pessoas, compensou contratar o transporte privado (um carro com motorista) ao invés do coletivo (aquela van que passa por vários hotéis). Alguns passeios são bem longe portanto preferimos ter a liberdade de voltar quando quiséssemos. Você também pode alugar um carro, o que deve ficar ainda mais barato, mas tenha em conta que em Bonito o GPS não funciona, então você terá que pedir as indicações à moda antiga. Caso você vá a Bonito via Campo Grande, essa é a melhor opção, assim você já aproveita o carro alugado para o traslado e os passeios.

De qualquer forma, todos os passeios possuem preço tabelado de alta e baixa temporada (AT/BT), e você será obrigado a contratá-los para ter acesso ao guia que te levará pelas trilhas. Listo abaixo os passeios que fiz e mais algumas dicas do que descobri por lá.


Day 1: Parque Ecológico Rio Formoso

O lugar é bem pertinho da cidade, e fazendo um passeio você tem direito a ficar na estrutura do lago (com caiaque e stand-up) e do restaurante (pago à parte). Fiz os passeios de boia cross e a cavalgada pelos pastos e trilhas da fazenda, e gostei bastante dos dois, Para quem já fez rafting, o boia cross é bem mais tranquilo mas mesmo assim vale o passeio.

Boia Cross

Valor BT: R$ 85 por pessoa

Nota: Em Bonito há também o Hotel Cabanas (hotelcabanas.com.br), outro lugar que oferece passeios de boia cross e arvorismo que você pode escolher.  


Day 2: Estância Mimosa

Estância Mimosa
A fazenda possui uma trilha bem fácil, com 7 cachoeiras para contemplação ou banho durante o caminho. Destaque para a Cachoeira do Sol, que possui um amplo lago em frente; a Cachoeira do Surucuá, acessível através de um barco a remo; e a Cachoeira do Salto, que possui uma plataforma de 6 metros de altura de onde você pode pular na cachoeira.




Na volta, um almoço delicioso da fazenda com o melhor doce de leite do mundo te espera para você repor todas as calorias gastas na trilha!

Valor BT: R$ 154 por pessoa com almoço

Nota: Ao lado da Estância Mimosa, há também o Parque das Cachoeiras (parquecachoeiras.com), com um passeio similar de trilhas e cachoeiras diferentes, compartilhando apenas uma com a Estância Mimosa.


Day 3: Gruta do Lago Azul e Gruta de São Miguel

Gruta do Lago Azul
A Gruta do Lago Azul é um dos principais cartões postais de Bonito, por isso eu tinha muita expectativa para conhecê-la. A melhor época para visitar é em dezembro ou janeiro pela manhã, quando a luz do sol de verão incide diretamente na água dentro da gruta e faz com que o azul atinja o seu melhor tom. Apesar de eu ter ido em janeiro, o dia estava chuvoso, e talvez por isso eu não tenha me impressionado tanto. E infelizmente, a água não é para banho.



Gruta do São Miguel
Já a Gruta de São Miguel é bem maior e não tem água. Você pode caminhar apreciando as estalactites, estalagmites e outras formações rochosas dentro da caverna, iluminando-as com a lanterna recebida na entrada para não perder nenhum detalhe. Para chegar até a gruta, você passa por uma trilha bem agradável que inclui uma ponte pênsil no meio da mata. Na volta, surpreenda-se com as araras que visitam a sede do passeio, empoleirando-se nos galhos das árvores ou comendo o "almoço" servido por conta da casa.

Valor BT: R$ 50 para Lago Azul e R$ 50 para São Miguel (por pessoa)


Day 4: Flutuação Rio Sucuri

Flutuação no Rio Sucuri

As flutuações são os passeios mais típicos de Bonito, em que você desce o rio com snorkel, máscara e roupa de neoprene enquanto aprecia a fauna e a flora subaquática. A flutuação do Rio Sucuri está para a flora (vegetação) assim como a do Rio da Prata está para a fauna (leia-se peixes). São passeios diferentes, porém com o mesmo objetivo.

A fazenda do Rio Sucuri também proporciona cavalgada e bike tour e você também pode aproveitar a piscina ou degustar as frutas do pomar. O almoço também é no estilo sul-matogrossense, como sempre daqueles que você se empanturra após o passeio.

Website: riosucuri.com.br
Valor BT: R$ 168 para flutuação e R$ 42 para almoço (por pessoa)


Day 5: Boca da Onça

A trilha da Boca da Onça foi a minha preferida de Bonito. O passeio é similar ao da Estância Mimosa, com trilhas e cachoeiras, porém para mim as cachoeiras da Boca da Onça foram mais surpreendentes que a da Mimosa.

Buraco do Macaco
A trilha é basicamente vertical, você desce mais de 800 degraus por uma escadaria de madeira e sobe outros 1000, portanto vá com fôlego e preparo físico! Destaque para a cachoeira da Boca da Onça, denominada assim pela imagem que se forma nas suas pedras; e para o Buraco do Macaco, uma cachoeira acessível apenas nadando através de um buraco na pedra. Não deixe de entrar! É uma delícia refrescar-se nas águas geladíssimas da cachoeira durante o passeio.


A Boca da Onça possui também o maior rapel de plataforma do Brasil, de 90 metros sobre o Cânion do Rio Salobra. Se o rio estiver baixo você poderá também banhar-se em suas águas. Mas como eu não sou tão corajosa e as chuvas não permitiram, não me aventurei por nenhum dos dois atrativos. E na volta, claro, você estará pronto para comer mais uma comida tradicional e um descanso nos redários da fazenda...

Valor BT: R$ 202 por pessoa (com almoço)


Day 6: Flutuação Rio da Prata e Buraco das Araras

Na minha opinião, a flutuação do Rio da Prata é bem mais bonita que a do Rio Sucuri. Em Bonito todos os guias dizem que são propostas diferentes e que os dois passeios se complementam. Mas eu fiquei muito mais maravilhada com os peixinhos do Rio da Prata do que com a vegetação do Rio Sucuri! Choveu muito em Bonito na semana em que fui, e por este motivo havia muitas folhas caídas no rio. Mesmo assim, a água era completamente cristalina, resultado do calcário presente no solo que decanta toda e qualquer sujeira, assim como cloro de piscina.

Flutuação no Rio da Prata

No Rio da Prata havia muito mais peixe que no Sucuri, e aprendi a identificar várias espécies: o listradinho Piraputanga, o Piau Três Pintas com suas bolinhas, cardumes com centenas de dourados ou pacus a meio metro de distância...  Simplesmente lindo. Para quem nunca mergulhou antes, os guias são super bem preparados e capazes até de tirar trauma de quem tem medo.

O passeio começa com uma trilha até chegar à nascente do Rio Olho d’Água, onde você inicia o mergulho e vai descendo com a correnteza até o Rio da Prata. Só para não perder o costume, ao final da flutuação você é recebido com um almoço da fazenda, bem naquela hora em que você está morrendo de fome. E de sobremesa aquele doce de leite de novo... ai socorro... aqui você também pode comprar um pote pra levar de lembrança para quem não foi - ou comer tudo sozinho mesmo pra matar a saudade de Bonito!

Buraco das Araras
Logo depois do almoço, você já segue para o Buraco das Araras com a barriga cheia! Os dois passeios são bem longe de Bonito, mas a 15 minutos de distância um do outro. Eu esperava ser recebida com uma revoada de araras vermelhas nesse passeio, mas o que consegui ver (apenas com a ajuda do binóculo e do zoom da câmera) foram míseros dois casais de araras, muito menos do que as que estavam na Gruta São Miguel. Talvez porque era época de procriação, ou porque minha imaginação é muito fértil, mas também me decepcionei um pouco com este passeio. Tomara que você tenha mais sorte quando visitar o local.

Valor BT: R$ 224 por pessoa para Rio da Prata (com almoço)
Valor BT: R$ 65 por pessoa para Buraco das Araras


Outras dicas de passeios...

Além do rapel de plataforma da Boca da Onça que comentei anteriormente, Bonito também oferece alguns passeios, digamos assim, mais radicais. É possível fazer mergulho de cilindro nos rios da Prata e Formoso, além da Lagoa Misteriosa (lagoamisteriosa.com.br), que só abre de maio a setembro. Como não me empolguei muito nos mergulhos dos rios e não fui na época para ir na Lagoa, acabei não fazendo nenhum desses mergulhos, mesmo sendo mergulhadora certificada. Já os corajosos e que não têm medo de altura como eu podem visitar o Abismo Anhumas (abismoanhumas.com.br), que inclui um rapel + mergulho de cilindro dentro do abismo.  


Enfim, Bonito possui uma infinidade de passeios para escolher, dependendo do que você procura e de quanto tempo irá ficar lá. Além disso, há vários lugares que oferecem o mesmo tipo de experiência, por isso escolhemos um roteiro bem diversificado, com trilhas, cachoeiras, flutuações, grutas, boia cross e cavalgada. Monte seu roteiro e divirta-se!

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Toronto & Niagara Falls

O que dizer sobre Toronto, além de que desde que é uma dessas cidades em que dá vontade de morar??? Toronto tem um carisma que eu senti em poucos lugares do mundo e até agora só não larguei tudo e mudei pra lá porque acho que eu não sobreviveria em um inverno de -40 graus...

Downtown Toronto

O clima estava perfeito, um verão de aproximadamente 25 graus, com muita gente pelas ruas, praias e eventos culturais. Tive sorte de estar lá na semana do Toronto Jazz Festival, com opções de shows grátis na praça da prefeitura, e também no Canada Day, o dia em que o Canadá virou uma única nação, sob o domínio britânico. Por falar nisso, até hoje a moeda canadense ainda tem estampada a Rainha Elizabeth II, e as notas são lindas e feitas de plástico.

Harbor Front

Passeie pelo Harbor Front até o Toronto Music Garden, passando pela marina e parando para ver os aviões pousarem no aeroporto Billy Bishop, que fica em Toronto Islands. E por falar nisso, Toronto Islands também é um ótimo day tour se você estiver em Toronto no verão. Pegue o ferry para Centre Island e alugue uma bicicleta para dar uma volta completa na ilha. A vista de downtown Toronto de lá é digna de muitas fotos!!!

Vista de Toronto de Toronto Islands

As principais atrações de Toronto são o Ripley’s Aquarium of Canada (ripleysaquariumofcanada.com), bem diferente do aquário de Vancouver e igualmente imperdível; e a CN Tower (cntower.ca), que ficam lado a lado e é possível conhecer os dois em um mesmo dia. Para isso você irá desembolsar quase 73 dólares canadenses ($39.95 para o aquário e $33 para a CN Tower), o que não é nada barato como qualquer entrada no Canadá (mas já que você está lá tem que considerar esses custos ou então não vale a pena a viagem!). A torre tem 346m, o maior edifício do ocidente, e claro que a vista lá de cima é espetacular. Você pode ir até o Glass Floor e caminhar pelo chão de vidro olhando o chão lá embaixo, ou se for mais corajoso ainda pode experimentar o Edge Walk (edgewalkcntower.ca), uma volta pelo lado de fora da torre, suspenso por um cabo na cintura.  

Ripley's Aquarium of Canada

Quanto aos museus, escolhi o Royal Ontario Museum (rom.on.ca), enorme, único e interessantíssimo. Possui desde dinossauros a animais empalhados, cultura indígena a asiática, pedras preciosas a múmias egípcias. O museu também conta sempre com várias exposições temporárias – eu também tive a sorte de estar lá durante a exposição do artista Chihuly, que faz esculturas de vidro impressionantes e coloridas.

Vista da CN Tower

No mesmo dia, também fui à Casa Loma (casaloma.org), uma mansão construída por um magnata do ramo de energia no início do século XX pela bagatela de 3,5 milhões de dólares, e que acabou sendo tomada pelo estado 10 anos depois após a falência do seu dono. E aí se vão mais $17 do ROM e $25 da Casa Loma. Você também pode comprar o City Pass (citypass.com/toronto) por $56.68, que inclui o ROM, Casa Loma, CN Tower, Aquário e Zoológico de Toronto.

Niagara Falls
E por fim, você não pode ir a Toronto sem visitar Niagara Falls e Niagara on the Lake. Confesso que as Cataratas de Iguaçu são mais impressionantes, pela quantidade de cachoeiras e pelo volume de água. Mas mesmo assim, o passeio a Niagara é imperdível. Suba na torre Skylon para ter uma vista de cima de Niagara, e depois pegue o boat cruise para ter uma vista de dentro...  Vale a pena a aventura! Eu fiz o tour do Chariots of Fire (tourniagarafalls.com) por $129 e valeu a pena. Você vai de van do centro de Toronto para as cataratas, e ainda dá tempo de passar pela cidadezinha supercharmosa de Niagara on the Lake e ainda visitar um vinhedo de ice wine, o vinho que é feito com uvas congeladas do inverno canadense. 


sábado, 25 de junho de 2016

Quebec & Montreal

Quando desembarquei na província de Quebec, pensei que tinha saído da América e aterrissado na Europa. Não apenas pelo francês, idioma nativo do local, mas também pela arquitetura, mais antiga que a do oeste do país, e pela população, bem mais europeia e menos oriental. Fiquei 5 noites em Montreal, incluindo um day trip para Quebec City, a cidade mais charmosa do Canadá.

Minha primeira impressão sobre Montreal foi o calor sufocante do verão, contrastado com o frio e chuva do dia anterior em Vancouver. Como cheguei em um sábado, a região do porto era pura alegria! Muita gente passeando, comprando nas lojinhas de artesanato ou fazendo um happy hour nos inúmeros barzinhos da Place Jacques Cartier. Neste mesmo dia, já fui conhecer a Basílica de Notre Dame, que por fora era brindada pela luz do pôr do sol, enquanto por dentro refletia os tons de azul, amarelo e vermelho das suas paredes. Sem dúvida foi uma das igrejas mais bonitas que já vi, daquelas que a gente fica até embasbacada só de olhar.

Basílica de Notre Dame em Montreal

Cirque du Soleil em Vieux-Port 
Vale a pena ver se está passando algum espetáculo do Cirque du Soleil, que também fica montado na região do porto velho. Quando eu fui, assisti ao Luzia, baseado na cultura mexicana e maravilhoso como todos que eu já vi. Depois do show, continue passeando pelo centro da cidade para apreciar os principais monumentos lindamente iluminados e os barzinhos que ainda estarão lotados de moradores e turistas curtindo o verão.



Outro passeio delicioso em Montreal é a subida ao Mont-Royal, de onde você poderá ter uma vista privilegiada da cidade. Há várias formas de subir até o topo, porém eu preferi a que queimava mais calorias: pela interminável escadaria dentro do parque, saindo do metrô Peel até o Chalet du Mont-Royal. Lá no alto, continuei caminhando pelas trilhas até chegar no lago, e de lá desci de ônibus pois já estava morta de cansaço!

Vista de Montreal no Chalet du Mont-Royal

No dia seguinte, peguei um ônibus na Gare D’Autocars de Montreal com destino a Quebec City. O ônibus sai toda hora cheia e demora 2h para chegar no centro de Quebec. A passagem custa de $35 a $55 pela empresa Orleans Express (orleansexpress.com). Dá pra ir e voltar no mesmo dia se você sair cedo de Montreal e voltar à noite, já que os dias no verão acabam tarde.

Chateau Frontenac em Quebec City

Old Town em Quebec City
Em Quebec, caminhe pelas ruas da cidade admirando os mais belos e antigos edifícios do país, da Rue Grande-Allée (rua mega charmosa com diversos restaurantes) ao Chateau Frontenac, símbolo da cidade. De lá, desça para a Old Town, e se perca nas ruazinhas da cidade até a Notre Dame.   

Foi um dia maravilhoso e diferente de todos os lugares que eu vi no Canadá. 

terça-feira, 21 de junho de 2016

Vancouver & Victoria

A primeira coisa que me falaram de Vancouver quando eu disse que iria pra lá é que essa é a cidade mais oriental do Canadá. Talvez pela proximidade do oriente através do Pacífico, ou pela política de receptividade com estrangeiros que o país possui, Vancouver é uma cidade multicultural e cheia de jovens estrangeiros que a visitam para estudar inglês, trabalhar ou passear e acabam decidindo tornar aquele lugar o seu lugar no mundo.

A cidade se transformou após as Olimpíadas de Inverno de 2010, a partir de quando a maioria dos prédios do centro da cidade foram construídos e o mercado imobiliário inflacionou. Vancouver possui casas maravilhosas, vendidas por milhões de dólares a chineses e indianos que ajudaram a inflar esse mercado juntamente com o processo de imigração. E por onde quer que você ande verá andaimes que se tornarão novos edifícios no futuro.

Ainda assim, muitos buscam Vancouver pela sua excelente qualidade de vida e – pasmem – pelo seu “ótimo clima”, incompreensível para uma brasileira que pegou temperaturas de 10 a 15 graus lá em pleno verão. Enquanto o lado leste do Canadá possui uma variação de temperatura de -40⁰C no inverno a +40⁰C no verão, Vancouver mantém uma variação menor, porém com muita chuva durante todo o ano. 

Lontra no Aquário de Vancouver
Mas há muita coisa para conhecer em Vancouver e arredores, e a maioria das atividades incluem natureza como principal atrativo. O principal ponto turístico da cidade é o Stanley Park, uma área verde enorme em pleno downtown que além inclui em sua área praias, lagos e o Vancouver Aquarium (vanaqua.org). Dá para passar um dia inteiro no parque fazendo todas as atividades disponíveis e vendo os shows diários do aquário (as belugas e as lontras foram minhas preferidas!). A entrada do aquário custa $36.

Totem Poles em Stanley Park
 Aluguei uma bicicleta na esquina da Georgia St. com a Denman St. (spokesbicyclerentals.com) e percorri os 9km que rodeiam o parque pela chamada seawall. Me surpreendi com os Totem Poles, uma coleção de esculturas coloridas que representam a cultura indígena da região e contam suas histórias e mitos. O aluguel saiu $30 por 6 horas.



Outro parque delicioso em Vancouver é o Queen Elizabeth Park, que possui lindos jardins e uma vista espetacular da cidade. Já no gênero mais radical, o Lynn Canyon Suspension Bridge e a Capilano Suspension Bridge (capbridge.com) são parques que integram a natureza com pontes suspensas. Há quem prefira um ou outro, mas eu adorei ter visitado os dois. O Lynn Canyon é grátis, menos turístico e possui uma trilha que leva a uma cachoeira de água cor de esmeralda. Já a Capilano Bridge possui um comprimento de 140m e está a 70m sobre o Rio Capilano. Do lado de lá, você pode passear pelas trilhas e o Treetop Adventure, uma espécie de arvorismo em meio à vegetação local. Do lado de cá, você também pode andar pelo Cliff Walk, uma ponte de vidro sobre o penhasco. Imperdível, até para mim que morro de medo de altura! Mas para entrar você deverá desembolsar outros $39,95. 

Capilano Suspension Bridge

Gas Town Steam Clock
Passando para o lado mais urbano de Vancouver, vale a pena caminhar por downtown e também pela Gastown, o centro antigo da cidade, que possui diversas lojinhas de souvenir e também um fofíssimo relógio a vapor que funciona a cada 15 minutos. 

Outro ponto turístico é o Canada Place, uma praça e centro de convenções à beira mar, onde você pode assistir aos sea planes decolando e pousando na água ou ainda ao Fly Over Canada (flyovercanada.com), um espetáculo de 8 minutos em um cinema 3D e que custa $21,95, onde você se sente literalmente voando sobre todas as regiões do país. Adorei!
Veja outros parques e passeios em Vancouver no site: vancouver.ca/parks-recreation-culture.aspx

E aproveitando o tour pelas diferentes regiões canadenses, British Columbia é uma área com diversos passeios que podem ser feitos em um ou mais dias saindo de Vancouver. No site da BC Ferries (bcferries.com) você encontra vários roteiros, e os mais conhecidos são Whistler e Victoria.
Eu escolhi ir e voltar no mesmo dia para Victoria, que fica na Vancouver Island. Para ir até lá de ferry você deve conciliar bem os horários, pois ele sai da estação de Tsawwassen (a uma hora de metrô de downtown Vancouver) e chega em Swartz Bay (também a aproximadamente uma hora de ônibus de downtown Victoria). Outra opção bem mais cara é ir de avião, desta forma você já poderá ter a experiência de pousar na água em um sea plane. Ou ainda há também vários day tours de Vancouver a Victoria por diversas agências. Mas claro, como sempre eu preferi ir sozinha pela opção mais barata e mais desafiadora.

Só o passeio de barco já é uma aventura. O barco é lindo, comporta vários andares de carros, é extremamente organizado para entrar e sair e com uma tecnologia de ponta. Para os pedestres, há um portão de embarque como o de um aeroporto, com entrada através de finger. Lá dentro, os diversos cafés, restaurantes e áreas de lazer fazem com que você se sinta em um transatlântico durante a viagem.

O Parlamento de Victoria


Em Victoria, passeei pelo centro da cidade, pelo porto e por China Town. Conheci o Parlamento, entrei em diversas lojinhas de souvenir e comi um hot dog na praça. E depois disso, fui ao lugar mais lindo da cidade, o Butchart Gardens (butchartgardens.com). Você precisará de pelo menos umas duas horas para percorrer o parque todo e tirar milhares de fotos dos inúmeros tipos de flores desse lugar. Simplesmente maravilhoso, vale a pena o valor da entrada de $33,71.

O lindo Butchart Gardens
Foi um dia e tanto!

sábado, 18 de junho de 2016

Canada & USA Trip

Tudo começou com um único pretexto: visitar a família que morei nos EUA há 21 anos, que estava comemorando 50 anos de casados. E, de quebra, planejei aquela viagem ao Canadá que estava na cabeça também há muitos anos, e que nunca tinha saído do papel.

O objetivo era conhecer o lado oeste e leste do Canadá, necessariamente nessa ordem, após passar um fim de semana em Bremerton, WA, a duas horas de carro de Vancouver. Viajei sozinha, mas depois de agendar a viagem, fui descobrindo que conhecia gente em todos os lugares, gente que eu coleciono em todas as minhas idas e vindas pelo mundo e que nunca perco o contato.

A escola em que eu estudei nos EUA, 21 anos depois...
De novos amigos que eu encontrei pelo caminho a amizades antigas que reencontrei (daquelas que passam anos e parece que nunca perdemos o contato), todos foram como anjos que fizeram com que essa viagem fosse simplesmente mágica!

Confira os post seguintes sobre Vancouver & Victoria, Quebec & Montreal e Toronto & Niagara Falls

Espero que vocês viagem comigo nas minhas fotos e palavras e que eu possa despertar
o seu desejo de conhecer o Canadá, esse país lindo, com belezas naturais, pessoas extremamente educadas e uma qualidade de vida impressionante.

Mais informações sobre o Canadá em canadaparabrasileiros.com

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Buda e Pest, os dois lados do Danúbio

Já cheguei em Budapest com a música do George Ezra na cabeça... e pensando que eu largaria tudo para morar lá naquela cidade... “oh to you... I’d leave it all


O primeiro impacto foi a Ponte das Correntes, uma das quatro principais pontes que passam sobre o Rio Danúbio e separam o lado Buda do lado Pest da cidade. Cada um tem a sua opinião sobre qual lado do rio é mais bonito, mas todos concordam que essa é a ponte mais charmosa. Com diversas estátuas de leões que parecem tomar conta da ponte e um arco no centro, você poderá atravessá-la a pé ou de carro para tentar chegar a uma conclusão sobre qual dos dois lados prefere.









No lado Pest, fica o Parlamento Húngaro, uma construção tão impressionante que merece uma volta olímpica para conhecer o lado de fora ou ainda fazer um tour para conhecer o lado de dentro.













É desse lado da cidade também que fica a Basílica de Santo Estevão, e se você ainda tiver pique também poderá subir na torre. E lá se vão mais 364 degraus para ser compensado por uma vista maravilhosa da cidade.

E além disso, o lado Pest conta com a melhor fotografia que você poderá tirar da cidade: a vista do Castelo de Buda emoldurada pelo Rio Danubio... Vá de dia, de noite, volte no dia seguinte e não se canse de apreciar essa vista!







Mas em algum momento você vai querer atravessar a Ponte das Correntes e ir conhecer o lado Buda... Pegue o funicular e suba até a colina onde fica o Castelo. Você pode conhecer os diversos museus que ficam na área do castelo ou somente caminhar pelo lindo complexo.

O lado Buda também tem a Igreja Matias, a mais linda de Budapest. Por fora, seu telhado de mosaico super original. Por dentro, vitrais e paredes encantadas. Portanto, vale a pena a visita ao seu interior. Aproveite para passear também pelo Bastião dos Pescadores e tomar um café ao ar livre apreciando a vista.

Pra quem gosta de mais agito, Budapest também possui várias baladas. Mas como sou uma pessoa mais do dia que da noite, não aproveitei esse lado da cidade. Seja qual for a sua praia, a única coisa que tenho certeza é que vai ser difícil escolher entre o lado Buda ou o lado Pest. Qualquer lado que você escolher, um dos motivos será a vista para o outro lado. E aí você vai continuar com a mesma dúvida...


Outras dicas...

Em Budapest, fiquei no albergue Maverick, bem arrumadinho e fica em um lindo edifício antigo e perto da Vaci Utca, a rua de compras da cidade.
ttp://www.famoushostels.com/hostels/budapest-hostel/

Esse roteiro de 3 dias em Budapest também é bem legal para você poder escolher o que quer fazer:
http://www.meusroteirosdeviagem.com/2011/08/roteiro-de-3-dias-em-budapeste.html

As dicas do Ricardo Freire são sempre úteis para qualquer viagem:
http://www.viajenaviagem.com/destino/budapeste/

E no Trip Advisor você também poderá encontrar vários roteiros e passeios diferentes para todos os gostos:
https://www.tripadvisor.com.br/Tourism-g274887-Budapest_Central_Hungary-Vacations.html

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Praga, uma das mais lindas cidades europeias...

Praga é considerada uma das cidades europeias mais lindas, e atualmente, uma das mais baratas para se visitar. A região do Castelo de Praga, por exemplo, tem todas as características que procuramos em um ponto turístico: seus diversos museus, para quem gosta de conhecer a história em detalhes; a Catedral de São Vito, cujos vitrais e estilo gótico são admirados até mesmo os pouco religiosos; a subida pelas escadarias do castelo, que atrai os mais atléticos; a arquitetura impressionante e grandiosa de todo o complexo; e além de tudo isso, a melhor vista da cidade que você poderia imaginar...

Visitei duas vezes o complexo, uma de manhã e outra no final do dia, e não me cansei de fotografar tudo de novo, com outra luz, em outro momento... Há diversas excursões a pé pelo castelo, e vários tipos de ingressos para quem quiser conhecer tudo, só um pouco, ou tudo e mais um pouco. Faça sua escolha e divirta-se!

Ao descer pelas ruas que rondam o castelo, vá em direção à Ponte Carlos, que é o ponto mais muvucado da cidade: será impossível você tirar qualquer foto sem companhia (na maioria das vezes de um chinês, rs), mesmo às seis da manhã! Mas a beleza da ponte sobre o Rio Moldava faz juz à fama. Lá você encontrará diversos artistas, que se mesclam às 30 estátuas representando os santos que eram venerados pela população na época da sua construção.

Depois de cruzar a ponte, você estará em Malá Strana, um dos bairros mais bonitos da cidade. É obrigatório você se perder pelas suas ruas e admirar sua arquitetura barroca e suas lojinhas de souvenir.

O bairro também possui milhares de igrejas, uma mais linda que a outra. A maioria delas construída na época do império Austro-Húngaro, quando sua população era quase 100% católica. Hoje, a República Tcheca possui uma das populações menos religiosas do mundo, com mais da metade da população declarada ateia. Mesmo assim, as igrejas continuam lá, portanto mesmo os não são católicos devem escolher algumas para conhecer.

A Igreja de São Nicolau é um ótimo exemplo, linda por dentro, por fora e de cima da torre. Mas como não há nenhum benefício sem sacrifício, para ter essa vista você deverá subir 287 degraus! Aconselho também a conhecer a Igreja do Menino Jesus de Praga, considerada milagrosa por muita gente ou apenas linda de morrer pelos demais.

Outro passeio obrigatório de Praga é o centro velho ou Stare Mesto. Nesse caso, vale a pena contratar um guia turístico para fazer o passeio a pé pelo centro e ouvir toda a história da cidade. Você irá visitar o Relógio Astronômico, que toca a cada hora cheia e fica na linda Praça da Prefeitura (Old Town Hall), o Bairro Judeu e seu chocante cemitério vertical, a Torre de Pólvora, entre outros. Mas o que eu mais gostei nesse passeio foi a história e a cultura do povo tcheco contada pela versão de um guia americano, que se apaixonou tanto pela cidade e pelo povo que não conseguiu mais sair de lá. No final do passeio, fomos em um dos restaurantes mais tradicionais da cidade (U Rudolfina) com todo o grupo, que nesse ponto já estava completamente unido.

Aliás, vale ressaltar que a comida tcheca é deliciosa. Sempre combinando carne de vaca ou de porco com batatas ou com o famoso bolinho tcheco (knedliky). Um dos pratos mais encontrados é o Gulash, um cozido que pode ser servido no prato ou no pão como uma sopa.

Ahhh... e a cerveja! Sempre acompanhando todo menu executivo, cada restaurante oferece a sua própria cerveja, e todas são deliciosas! Gostei tanto que resolvi aproveitar o beer tour, e fui conhecer algumas das melhores cervejarias da cidade: The Pub, Pivnice U Pivrnce, Popocafepetl Michalská e Zlatá Lyra. Claro que eu não sei pronunciar nenhum desses nomes, mas a única coisa que aprendi a falar foi “pivo, prosím” (cerveja, por favor). Ah, e ao brindar, diga “Na zdraví”, bata a caneca na mesa olhando no olho do seu amigo e só depois beba! Assim você se sentirá um verdadeiro tcheco.

Ainda bem que há várias torres para subir e vários parques para caminhar, assim gastamos todas essas calorias consumidas! Não perca um passeio noturno pela Ponte Carlos e pelo centro para apreciar a vista do Castelo de Praga, o melhor cartão postal da cidade.

Há também alguns museus interessantes como o Museu de Kafka e o Museu de Mucha. Fui apenas no último e achei interessantíssimas as gravuras que ele fazia. Ah e os vitrais da Catedral de São Vito também foram feitos por ele. Amei!!!



Se tiver tempo, aproveite para conhecer alguma cidadezinha tcheca além de Praga. Cada uma tem uma história diferente, e tenho certeza de que todas valem a pena. Eu passei um dia em Cesky Krumlov, uma linda cidade medieval que fica entre Praga e Viena e merecidamente é um patrimônio da Unesco.



No final da viagem, além de todos os lugares lindos que conheci, voltei muito impressionada com a cultura Tcheca. Não esperava tanta pontualidade, tanto desenvolvimento e tanto carisma daquela população. O transporte público é eficiente, a cidade é ultra segura e as pessoas têm orgulho de pertencerem àquele país com tanta história pra contar. A cada dia e a cada lugar que eu ia, conhecia um pouquinho mais, cada edifício contava sua própria versão dos fatos. Mas... a viagem não acabava aí, e no dia seguinte eu já estaria em Budapest!


Algumas dicas de Praga...

Um dos melhores albergues que já fiquei, estilo boutique e com um quarto individual que não fica nada atrás de um hotel 3 estrelas. A localização não é das melhores, mas o transporte público é eficiente e em 15 minutos você chega no centro da cidade
http://www.famoushostels.com/pt-pt/albergue/albergue-praga/

Esse roteiro de 4 dias em Praga é ótimo para você se programar e me baseei muito nele. Neste mesmo link também tem um post com 10 passeios bate-e-volta de Praga, incluindo Cesky Krumlov.
http://sundaycooks.com/?s=praga&post_type=post

Roteiro simples e prático de Ceskly Krumlov :)
http://viagem.uol.com.br/noticias/2011/07/25/cesky-krumlov.htm

Dicas do Ricardo Freire no Viaje na Viagem:
http://www.viajenaviagem.com/destino/praga/ 

E há sempre o famoso e útil Trip Advisor, que consulto em absolutamente todas as viagens!!!
https://www.tripadvisor.com.br/Tourism-g274707-Prague_Bohemia-Vacations.html